blogs SAPO

.Mais sobre mim

.subscrever feeds

.Pesquisar neste blog

 
Segunda-feira, 30 de Abril de 2012

Contestação anti Luís Filipe Vieira

 Abriu a caça ao presidente do Benfica Luís Filipe Vieira, depois de no jogo contra o Marítimo na Luz, os No Name, terem protestado contra o presidente, e após esse acto, terem sido assobiados pelo restante público no estádio, deixando bem claro que não estavam de acordo com a claque, este fim de semana no estádio do Rio Ave, foram roubados os equipamentos para o jogo da equipa de Vila do Conde e foram pintadas frases a "mimar" o presidente encarnado, tal como foi feito nas paredes do Estádio da Luz.

 

 Serão verdadeiros benfiquistas os autores de tão cobarde e vergonhoso feito? Não, não são, um verdadeiro benfiquista apoia a equipa e quem a representa, e quando não está contente, reclama no local indicado e de uma forma civilizada, nunca envergonha a imagem do clube, e muito menos vandaliza instalações alheias.

 Uma claque do Benfica, oficialmente não reconhecida, duas dezenas de adeptos à espera da equipa na luz para mandar umas bocas, e umas paredes pintadas, em nada representam o universo dos adeptos benfiquistas, que na sua grande maioria não se identifica com estas atitudes.

 Então quem são? Podemos entrar pela teoria da conspiração, e pensar que são indivíduos a mando do F.C.Porto, de forma a destabilizar as hostes benfiquistas e assim tentar que estas situações contagiem a maioria dos adeptos e sócios benfiquistas, mas julgo que a resposta a esta questão foi dada nas bancadas da Luz no último jogo, são as claques...

 Há muito que apregoo, a extinção de qualquer apoio a estes grupos organizados intitulados de claques, e a proibição da sua entrada nos estádios, pois a violência quer física, quer psicológica,( através de cânticos e frases insultuosas) é sempre gerada pelas claques, que são em grande parte as responsáveis pelo reduzido público nos estádios, nenhuma família com juízo, vai a um jogo de futebol, sujeitando os seus filhos a essa violência.

 É nestas claques  que encontramos o típico indivíduo, pouco inteligente, alcoolizado, drogado, e que só raciocina com a mente dos outros, por norma, ainda menos inteligentes, aliamos isto à falta de educação e espírito cívico, e temos o perfil dos autores destas vandalizações.

 

 São pessoas muito ingratas, Luís Filipe Vieira tirou o clube da falência, a sua obra é tão grande que precisava de outro post só para a referenciar, este já vai longo, são pessoas que preferem um Vale e Azevedo possivelmente identificam-se mais com ele...

 Luís filipe vieira teve de vender sonhos aos benfiquistas, de forma a que o número de sócios crescesse, e o estádio da luz voltasse a encher, com isso fez crescer a paixão dos adeptos, ligou-os de novo ao clube, e assim trouxe muitos milhões aos cofres do Benfica.

 Com a venda dessas ilusões Luís Filipe Vieira salvou o clube, mas agora sem o sucesso desportivo que vendeu aos benfiquistas, o "peixe morreu pela boca", e é alvo de contestação.

 A vida é ingrata, tal como as pessoas, este presidente não merece jamais sair debaixo de assobios e pela porta pequena, não pode existir tamanha ingratidão.

 Os políticos portugueses também nos venderam muitos sonhos, todas as eleições o fazem, nada cumprem, e ainda tiveram gestões que condenaram o nosso futuro e das gerações vindouras, mas não  vejo nenhuma parede pintada com protestos, ninguém saí à rua com a língua afiada, onde estão esses indivíduos que tanto gostam de dar ao pincel?

 Há pessoas cuja noção de importância está claramente distorcida, este é um exemplo claro que estamos na situação em que estamos por culpa própria, por não termos nehuma noção do que é realmente importante para a nossa vida e dos nossos filhos, responsabilidade social, precisa-se.

Publicado por Miguel às 10:30
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 29 de Abril de 2012

A crise também já chegou ao futebol

 Joaquim Evangelista, presidente do sindicato dos jogadores de futebol profissional, revelou recentemente que 80% dos jogadores profissionais de futebol, estão com ordenados em atraso, a crise está a bater à porta dos clubes portugueses, de uma forma muito mais profunda, e já não há crédito bancário que abafe, o resultado de gestões populistas e irresponsáveis dos seus dirigentes.

 Quando não há dinheiro, não pode haver vícios, um clube sem bases financeiras sustentáveis, não pode competir na superliga, e em Portugal são poucos os que podem apresentar esses requisitos. Então para quê alargar o campeonato de 16 para 18 equipas? Para existirem mais jogadores com ordenados em atraso, para mais clubes se autodestruírem, ou para acontecer de novo a vergonha que está a acontecer com a União de leiria, que jogou com 8 jogadores contra o Feirense, e não sabe se joga os próximos jogos? A verdade desportiva deste campeonato foi ferida de morte e muita gente continua a assobiar para o lado.

 

 Tal como na política, a ânsia de poder, leva a que se façam promessas irresponsáveis, que não se podem cumprir, ou que servem apenas para caçar votos, favorecendo interesses singulares, e não ao futebol português no geral, foi isto que aconteceu com a eleição de Fernando Gomes, para a presidência da Liga de Clubes, ao prometer o alargamento da liga, e a não descida de nehum clube esta temporada à Liga Orangina.

 Mais equipas na superliga não irá gerar muito mais receitas, provavelmente não irá deixar espaço até para a Taça da Liga, essa sim ainda gerava algumas receitas para os clubes, ou contribuirá para  a desvalorização da mesma. Além do mais irá sobrecarregar com mais jogos, as equipas que participam nas competições europeias, o que irá por em causa o rendimento das mesmas nessas competições, o que não virá ajudar em nada, o panorama futebolístico nacional.

 Portugal tem um mercado pequeno, somos apenas 10 milhões e nem todos  gastam dinheiro em idas aos estádios, a comprar merchandising dos clubes, ou a pagar canais de televisão para ver jogos, logo não é possível existir um suporte financeiro para coexistirem muitas equipas, com capacidade de suportar  bons salários. Então, ou se recorre a jogadores mais baratos e de menor qualidade, o que também não é bom para a qualidade dos espectáculos nos estádios, ou se reduz o número de equipas na superliga, os clubes não podem é continuar a querer ter "ferraris", ganhando o "ordenado mínimo", e ainda por cima não pagando as prestações. Os dirigentes têm de ser criminalmente responsabilizados  pelas más gestões que realizam.

 Penso que o problema passa passa também pelo número reduzido de clubes em Portugal que podem apresentar garantias de uma boa saúde financeira ao longo da temporada, então com este cenário, os dirigentes da liga, fecham um pouco os olhos aos requisitos financeiros no inicio de cada temporada, de modo a que se tenha um campeonato composto, com muitas equipas. Mas não se pode fechar os olhos a más gestões, a mentiras e falsidades, a salários em atraso e à má imagem que todas estas situações projectam do nosso futebol, além fronteiras.

 A União de Leiria foi o primeiro estrondo, Vitória de Guimarães, Vítória de Setúbal, e muitos mais podem ser os próximos, a liga de clubes tem de ter critérios mais exigentes, e os dirigentes dos clubes têm de deixar de viver na lua e cair na realidade, sem dinheiro, não há vícios.

 Uma das soluções, muito controversa com certeza, seria reduzir o número de equipas na superliga e existirem quatro voltas, em vez de duas, para as equipas chamadas pequenas, seria óptimo receberem os chamados grandes duas vezes em casa, tal como iria existir o dobro dos derbys, mais emoção para os adeptos, mais receita de bilheteira e mais receitas com transmissões televisivas. Resumindo, menos clubes, mas uma melhor competição, e clubes mais fortes, a meu ver seria uma solução a ser, no mínimo colocada em cima da mesa.

 Podemos e devemos ser diferentes, Espanha, Itália, Inglaterra, Alemanha, têm um tecido económico muito maior e forte que o nosso, que consegue suportar um grande número de equipas com uma grande capacidade financeira, Portugal não tem uma realidade desse género, logo temos de deixar de nos pôr em bicos de pés, e ter o campeonato que podemos ter, com muitas ou poucas equipas, mas com qualidade e acima de tudo credibilidade, só assim se atrairá investimento, e jogadores de qualidade, esses que enchem estádios.

 O futebol português tem os melhores jogadores e treinadores do mundo, caros dirigentes, inspirem-se neles e estejam à sua altura.

Publicado por Miguel às 22:28
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Posts recentes

. Benfica VS Fundação Luís ...

. Obrigado campeões!

. Contestação anti Luís Fil...

. A crise também já chegou ...

. Benfica, quando os adepto...

. Jorge Jesus, que futuro?

. Gaiola de Alvalade...

. Sporting, o eterno ofendi...

. Uma questão de egos...

. Basileia VS Benfica - Lig...

.Arquivos

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

.Tags

. todas as tags